Gurupá (PA), Quinta-Feira, 09 de Dezembro de 2021 - 00:14
13/03/2020 as 08:24:20 | Por Da: Redação |
Marinha aprova reflutuação do navio que naufragou no AP; trabalho deve iniciar no domingo
Manobra foi autorizada pela autoridade marítima na noite desta quinta-feira (12).
Fotografo: Reprodução: Prefeitura de Almeirim
Sem Legenda

A Marinha do Brasil aprovou o plano de reflutuação do Navio Anna Karoline 3, naufragado no dia 29 de fevereiro. De acordo com o governo estadual, a empresa já está se deslocando ao local da tragédia, no Sul do Amapá. A previsão é que a manobra de içamento comece a ser feita no domingo (15).
 
De acordo com o secretário de Segurança Pública e porta-voz do Comitê de Crise, Carlos Souza, serão feitas primeiras as medidas preparatórias para que a manobra de reflutuação não cause, por exemplo, danos ambientais.
 
"Já inicia com as medidas preparatórias da operação, que é: tamponamento, é não deixar que haja perigo de vazamento de óleo, identificação da área, mergulhadores vão fazer o estudo de quanto essa embarcação já afundou no leito do rio...Então tem uma série de preparações que vão acontecer", afirmou o secretário.
 
Também foi informado que durante o trabalho de reflutuação as buscas com aeronaves e embarcações continuam. Somente as operações de mergulho serão suspensas, por motivo de segurança.
 
A empresa foi contratada emergencialmente pelo governo do estado por R$ 2,4 milhões. O Estado deve fazer uma ação de ressarcimento de valores contra a empresa proprietária da embarcação, porque ela é a responsável pelo navio e reflutuação.
 
Primeiramente, a Capitania dos Portos verificou inconsistências no projeto de reflutuação.
 
A empresa responsável pela manobra já atuou em 3 reflutuações; a última foi realizada no acidente com a balsa que provocou a queda de uma ponte, no Pará, no ano passado. O pagamento será realizado em desembolsos de 40%, 10% e 50%.
 
Na quarta-feira (11), de acordo com a Marinha, foi encontrado mais um corpo, de uma mulher, subindo para 34 resgatados e 51 sobreviventes. Na sexta-feira (6), o governo decidiu deixar de atualizar o número de desaparecidos; a decisão não foi justificada.
 




Notícias Relacionadas





Entrar na Rede SBC Brasil